sábado, março 12, 2011

Geração à Rasquinha

Há um mês atrás quando decidi arranjar um part-time num sítio qualquer para juntar ao part-time do estágio entreguei cerca de 30 currículos, é verdade, em restaurantes e coisas assim... só me chamaram muitos dias depois, de dois sítios, e sou licenciada e tenho experiência em restauração. Foi aí que me deparei com a dura realidade do "Ok, isto está mesmo difícil" e pensei naquelas pessoas que nem formação têm... É verdade passei (muitos) dias sem obter qualquer resposta.... mas podem crer que não parei um dia de andar para trás e para a frente à procura de mais lugares para deixar currículos. À primeira oportunidade aproveitei, claro. Não cruzei os braços, não fiz uma cruzinha no calendário para assinalar o dia da manifestação. Não me sentei no sofá e disse "A culpa é do Estado, não arranjo nada, não há trabalho, só querem dar estágios não remunerados". Até porque até o meu estágio part-time é remunerado (pouco, mas é). E agora não me digam: "ah tiveste sorte, ah o teu caso é diferente"... Porquê? Eu apenas não desisti nem fugi para Faro para a casa do meu pai por não ter nada para fazer. Desde que o meu estágio da SIC acabou tenho me mexido à séria e não me deixei ficar com o título de desempregada porque não quis. E por isso não vou a esta manifestação. Não porque não esteja a favor da acção interventiva dos jovens, mas porque não me intitulo à rasca, nem enrrascada, nem coisa parecida e acho que a nossa geração não devia ter esse espírito pessimista que leva à acomodação... porque eu vejo muito boa gente encostar-se à sombra da bananeira e diz que a culpa é do Governo e a maior parte das pessoas que vai estar hoje na Av. da Liberdade só lá vai estar porque sabe que há festa, cervejas e amigos. Hoje qualquer pessoa é licenciada... o mercado de trabalho chegou a um ponto em que não consegue absorver mais recursos humanos. Mas se formos bons, se nos esforçarmos, se soubermos aquilo que queremos, havemos de encontrar alguma coisa. Nem que demore mais tempo, nem que tenhamos que fazer part-times em restaurantes donde saimos com as costas feitas num oito e a pensar "andei eu a estudar para isto?"... Eu sei que não me vai sair o trabalho perfeito numa raspadinha... Por isso, aproveita-se o que se tem e não se baixa a cabeça. Eu acho bem que se manifestem contra a falta de atitude e preocupação do Governo, aí eu sou a primeira a dar a cara, só não acho bem que se deitem à sombra dos problemas da crise. Se calhar ainda tenho pouco tempo de andanças no mundo do trabalho, se calhar não sei nada da vida, mas até agora não desisti, e enquanto não desistir não vou pôr me a fazer parte de uma Geração à Rasca, ou enrrascada ou de Rasca.

18 comentários:

MJ disse...

Eu sou do Porto e não vou participar. Não que não seja a favor de uma atitude interventista, ou que não concorde nos ideias de mudança que apelam em manifestação, não. Mas acho que não me enquadro na Geração à Rasca, nem tão cedo lá me vão enquadrar. Porque está bem que há muita coisa a mudar, mas é muito mais fácil (e mais fixe prós amigos do facebook) ser intitulado de "deolindas" e ser tudo posto no mesmo saco, sair à rua e berrar que queremos boa vida, sem que por isso fazer mais que manifs. Tenho vergonha quando sei que a geração dos meus pais e avós saiu à rua por causas bem mais indignantes e passou dificuldades como nunca hei-de passar e, ainda assim, nunca se disseram "à rasquinha".

Ana Gonçalves disse...

O que interessa é nunca desistir de procurar, fizeste bem em não desistir!

PS disse...

Eu concordo contigo. Eu também sou licenciada e estou a trabalhar na minha área. Em part-time é verdade e o ordenado não é nada de especial, mas pelo menos fui à luta. Não fiquei em casa à espera que me caísse um emprego no colo. Muitas das pessoas que estão desempregadas não fazem nada por encontrar um emprego ficam em casa à espera que apareça uma proposta. Se querem trabalhar têm que se mexer, por fazer por isso! Mesmo que a primeira oportunidade não seja nada daquilo que estavam à espera aproveitem na mesma e continuem à procura de alguma coisa melhor.

Shiine* disse...

É preciso é nunca desistir de nada!

Vera disse...

http://geracaoenrascada.wordpress.com/2011/02/12/manifesto/

Será que toda a gente sabe o verdadeiro motivo da manifestação? Se o soubesse será que o discurso se manteria o mesmo? Tenho dúvidas. Não vejo QUALQUER citação ao Jel, Deolindas e afins.

м♥ disse...

Pois eu estou absolutamente de acordo com o que escreveste. A maior parte vai porque é uma "festa", porque tem lá amigos e conhecidos e bla bla bla. Se a crise é muito má e há muita gente a passar dificuldades, há outras tantas que se deitam à sombra dos problemas que afectam os outros. E quem prefira estar desempregado do que mexer o rabinho e sair à procura, até encontrar emprego.

Silvia disse...

Bem, eu já não passo aqui há mto tempo e quando passo não tenho tido muito tempo para comentar, mas subscrevo tudo o que disseste. É a geração à rasca para se conseguir levantar do sofá e mexer-se em busca de trabalho, porque empregos não há e trabalho a maioria não quer. Espero que esteja tudo bem contigo, beijinhos :)

Ri* disse...

Concordo plenamente contigo.
Sou licenciada, e neste momento estou a fazer um estágio nao remunerado (em que a probabilidade de lá ficar é nula), e estou ao mesmo tempo num call center em part time (porque preciso de euros, e n tenho conta no BES nem pais ricos) e, ainda estou a fazer um curso de ingles, para melhorar. è verdade, que ás vezes quero desistir de tudo e ficar em casa mas, graças ás pessoas que me educaram, não sou de ficar de braços cruzados e vou á luta e não desisto.
E isto é o que falta a muita gente, porque conheço muitas boas pessoas com os seus 30 e tais anos, e estão á procura de estágios ou a não fazerem nada porque simplesmente n é da area deles. Porque trabalho há, basta ir aos sites e ver os jornais... as pessoas é que tem a mania de não querer fazer isto ou aquilo porque acham que é inferior ou assim... Mas quem não vai á luta, n alcança nada, a não ser que tenha as ditas cunhas...

Anónimo disse...

Boa tarde, é a primeira vez que visito o seu blog e não pude deixar de comentar. concordo em parte que há muita gente por ai que não se esforça por encontrar trablaho mas mesmo assim considero que a parte que se esforça esta "a rasca". Irá passar o resto da sua vida num part time num restaurante? o que foram feitos dos objectivos profissionais e pessoais? o que será o futuro? Eu quando tirei a minha licenciatura não foi para dizer que dinha um diploma foi sim para poder assegurar o meu futuro e ter uma vida melhor. Claro que eu ainda não estava bem ciente do mundo real, enquanto terminei o curso trabalhei em lojas de roupa de shopping mas claramente não era aquilo que eu queria para mi. quando chegou a altura de procurar trabalho cheguei ao ponto de enviar curriculos para trabalhos que nem o 12º ano pediam e mesmo assim não obtinha resposta, preferiam alguem sem estudos, entao como podemos agarrar as oportunidades se não nos deixam agarra-las. Agora encontrei trabalho na minha area mas sei que apesar do meu valor e esforço por mostrar o que posso fazer não tenho perspectivas de futuro, o contrato acaba e nos ja sabemos que efectivo é uma palavra que não vamos ouvir e daqui a 5 ou 10 anos acham que isto vai melhorar, nao ai ja passamos por 20 empresas diferentes e uns quantos meses no centro de emprego e depois as empresas quando isto realmente melhorar irão preferir pessoas mais jovens. já pensou nisto?

Patrícia disse...

Ina pá, finalmente alguem com um pensamento de acordo com o meu (e fico bem mais feliz por, ao ler a caixa de comentarios, encontrar mais uns quantos!!)! E por estas e por outras que visito o teu blog.

Ritititz disse...

Amen, Jojozinha!

maçã disse...

Eu ontem não participei na manifestação em parte pelos mesmas razões que tu. E no final do dia, quando falei com amigos que lá tinham estado, fiquei contente por não ter ido. Acho que os verdadeiros motivos da manifestação eram válidos, e compreendo quem diz que a geração à rasca existe. O problema é que a imagem que fiquei com as manifestações de ontem, com cantorias, bebidas e amigos, é que a geração à rasca só está assim porque em parte, gosta de ser rasca. Pode ser que com o tempo, o país pare de culpas o Governo (que tem culpa, nós sabemos) e comece a tentar ajudar a mudar!

Luna Leve disse...

Oh, gostei muito de te ler!

E não podemos de deixar de nos defender, a nós, aos que lutam e se debatem todos os dias perante as contrariedades deste País!

beijos

StellaMaris disse...

MUUIIITTTOOO bem dito!
Não acrescento nada!

margaridda disse...

adorei o blog , vou seguir ;)

MJ disse...

Aos que lutam por objectivos válidos e com razão de ser, força! Porque enrascados estamos todos.

→ Calipso disse...

Não podia concordar mais ! Muita gente qe foi a manifestacao tem qq complexo de superioridd e por ter uma licenciatura se calhar, nao se quer sujeitar a qq trabalhinho. Mas olha, se o melhor qe arranajr for a trabalhar num McDonald's ao menos, ja é alguma coisa !

M. disse...

á vera e MJ uma salva de palmas!

certamente nao sabes os verdadeiros motivos da manifestação e do nome "geração á rasca"...é a minha opiniao!

parabens pelo tema, gera discuçao e troca de ideia :)