quinta-feira, abril 08, 2010

E, de repente, lá vem a vida trocar-nos as voltas. Ensina-nos que perdoar é como encontrar aquela agulha no meio do palheiro. Só que o palheiro é sempre do tamanho daquilo que temos que perdoar. O Evereste é o meu palheiro. Mora dentro de mim, e implora-me para que encontre a agulha que está cravada no seu cume mais alto. Chora para que não desista. Para que avance. Corra o risco. Pare a dor. E eu não sei como o fazer.

14 comentários:

mianitazita disse...

É verdade, por vezes temos dificuldade em perdoar...
O texto está giro, gostei!
Beijinho*

paula'maria disse...

e depois há a paciência, a força, a vontade... e a falta delas!

paula'maria disse...

e depois há a paciência, a força, a vontade... e a falta delas!

Anónimo disse...

A vida troca-nos as voltas quando menos a gente espera. Assim nos testa, percebes?
Eu vou passando por aqui, OK?

a) http://flordocardo.blogs.sapo.pt

Hermione disse...

adoro as tuas metáforas, são sempre tão bonitas...

Ana disse...

O palheiro pode encolher, tornando a procura mais fáicl. É ser paciente, relativizar um bocadinho e deixar q seja a razão a morar no cume mais alto.
Sigo-te atentamente Jo ;)*

Hapi disse...

O perdão liberta!
Começa já a subir o Evereste! :)

Luna disse...

Nem sempre é fácil de perdoar... mas às vezes a vida troca-nos as voltas e é mesmo necessário. O resto só tu podes decidir... se dás azo à razão ou segues esse coração.

Beijinhos e força nessa decisão (nada fácil)
*Luna*

Corset disse...

pode ser que o tempo dê uma ajuda nesse "perdão"...costuma resultar ;)

Alexandre disse...

É verdade, tem que existir a paciência e a força de vontade para ultrapassar isso ;)

diana. disse...

Dependendo do que seja (apesar de achar que é assunto do coração e normalmente nesses assuntos o perdão é difícil de alcançar) acho que perdoar é uma coisa que poucas vezes acontece. Desculpar sim, agora perdoar... Não acho tão fácil de acontecer.

Para mim, perdoar implica esquecer, ou pelo menos arrumar o assunto num sítio onde não se mexa mais... Mas como é que não se mexe mais se é uma coisa que (se calhar) magoa?

=\

****

Kikas disse...

ai jo, leio tantos blogues e o teu modo de escrever é, sem dúvida, um dos meus preferidos. já nem falo do blogue em si, que é fantástico, falo da forma como te expressas..
em relação ao post, às vezes não é só a nossa capacidade de perdoar que está em jogo. a capacidade da agulha mostrar que merece ser encontrada também é muito importante.. força :)

- Rita f. disse...

Oh, adorei *-*

Beijinho.
Rita f.

Sôw. disse...

adorei :D